Harder Better Faster Stronger

22 de Agosto de 2009 at 2:23 (Reminiscências de um Louco)

Já faz bastante tempo desde o meu último post. Em vez de vos estar a dar razões simples ou até ridiculamente complexas sobre a ausência dos meus posts (até porque, com a quantidade irregular de parasitas que visitam este corpo, se torna irrelevante) digo simplesmente que estou de férias e, como os meus colegas e amigos aqui referidos, não nos dedicamos ás artes triviais mas recompensadoras do estudo (inclui invulgarmente a escrita e a leitura académica).

Também já faz muito, senão imenso tempo desde que prometi fazer algo mais e jeito neste blogue alem destas divagações e relatos diários. As ideias podemos dizer que estão todas presentes, até a estrutura, mas o dia em que escreverei sobre o que realmente gosto ainda está para se avizinhar (até já pensei em escrever sobre um jogo chamado Ascendancy, que a maioria nunca terá ouvido falar). Resumindo: as minhas aventuras nos mundos gelados serão únicas, pelo que relata-las é trabalho épico, digno da viagem, épica que se tornou, do exilado. Isto é o que mais me importa terminar, as reviews virão depois.

File:Grooveicon.pngFile:DLL icon on Windows Vista.png

Estes ícones foram os causadores de imensos problemas e até resoluções durante a ultima semana, no entanto, se unicamente fosse dos ícones, bastava destrui-los ou troca-los e a história acabava. Esta aventura demorou-me praticamente a semana passada toda, e com isso posso dar a desculpa extremamente esfarrapada que não pude blogar por causa disso.

Durante uma noite practicamente activa em jogo, WoW neste caso, numas rotinas mais ou menos normais (se considerarmos normal transferir os registos da configuração da Interface de um jogador para outro) o PC foi-se abaixo quando tentei aceder à “minha suposta 2ª conta”. Quando voltou ao normal, quando tentei aceder à pasta onde o WoW estava instalado através do atalho que tenho no Ambiente de Trabalho (ou Desktop, já que não tirei nem vou tirar o patch de tradução para Portugês, sempre preferi o Inglês), a única coisa que me aparecia era o Windows Explorer com uma pasta vazia. Esperando isto de um computador com o Vista, deixei esperar digamos, uns 5 segundos, antes de tentar, como todos os seres humanos, puxar pelo programa, clicando na janela a ver se o programa reagia. Espantado fiquei por saber que uma mensagem deste tipo me foi presenteada: “Windows Explorer is not Responding”, dando-me as habituais 3 escolhas, reiniciar o programa, fechar o programa (vai dar ao mesmo de atrás) ou esperar que funcione (que, por saber que não funciona agora, também não funcionará amanhã). Durante algumas tentativas experimentei as duas primeiras, até ter concluído que a solução não seria tão fácil.File:Wlm logo-ic.png

Felizmente o Messenger funcionava, assim como tudo o resto. Aparentemente parecia ser um problema do Explorer só, já que o IE (que partilha protocolos com o Explorer) também funcionava. Não se enganem, porque o IE é porcaria que só tenho por pura compatibilidade com sites que nunca foram feitos para o meu querido Firefox. Pude conferir com alguns amigos meus sobre os passos prováveis que iria dar. Embora que, de todos os que pude contactar, nenhum soubesse mais de informática do que eu, sempre é bom ter uma 2ª opinião, mesmo que seja provavelmente escusada. Então reiniciei o PC e comecei a fazer o óbvio: ver se alguém tinha infiltrado o meu PC.

File:Avglogo.PNG

Então comecei a usar as ferramentas todas que tinha à minha disposição: AVG Free como antivírus, Spybot como antimalware e uma combinação de RegistryFix e Auslogics Registry Cleaner (obrigado PCGuia) para reparar e limpar o registo de qualquer função que pudesse estar a comprometer o Explorer.

Espanto foi o que me deu quando nenhum deles acusou nada (Ulisses bem podia estar aqui escondido). Na verdade cancelei o AVG depois de 3 horas a trabalhar ininterruptamente, até em fast scan. Parei na 2ª drive, que provavelmente não tinha relação com o que se passaria. Não tendo mais pistas sobre o que se ocorria dentro dos átomos presentes dentro do disco rígido do meu PC (se calhar estavam a conspirar para acabar com o meu reinado com líder absoluto da Horde), decidi ver se o mesmo ocorria em Safe Mode, algo que todos os sistemas precisam, mesmo os mais convencidos como o Vista.

Seria a minha 1ª vez que acederia ao Safe Mode do Vista. Mesmo durante os praticamente 4 a 5 anos que o tenho, nunca houve erro demasiado grave que nunca pude resolver ou negar. A primeira coisa que salta à vista é que todas as capacidades gráficas e aplicacionais desapareceram, ou seja, transformou-se numa espécie de Sandbox. Uma Sandbox que funcionava, já que quando abri a pasta do meu computador, nem um segundo demorou a reconhecer tudo o que havia lá dentro. Deste modo sabia que o problema se devia a um programa que era iniciado automaticamente no arranque normal do Vista, coisa que já tinha suspeitado, já que no processo de reiniciação que aconteceu antes de entrar no Safe Mode tinha uma janela aberta (por estranheza era a pasta onde guardava toda a minha manga, o que sempre demorou muito mais a carregar) que magicamente ganhou vida no fecho. Voltando a reiniciar o PC…….File:Msconfig icon.png

…..e indo imediatamente ao msconfig. Estranhamente não encontrei nada de invulgar nem de novo no arranque, mas como puderam ler, nada deste caso é vulgar, até porque se fosse, não valeria a pena estar a escrever tanto sobre ele. Portanto recorri ao Task Manager. Como uma criança que sabia onde mexia, comecei a desligar processos não essenciais que existiam: Daemon Tools, PowerIso, Lexmark Monitor, por ai fora, até o Messenger fechei. Depois comecei a fechar processos do sistema, spoolserv, scvhost, rundll32. Foi exactamente quando fechei um processo do rundll que o PC reganhou vida. Conclusão óbvia: os átomos presentes no disco apoderaram-se do rundll e conspiraram com ele para provocar um colapso mental no utilizador.

Tendo o sistema operacional (se se pode chamar tal), comecei a procurar pela Internet sobre problemas de Vista e rundll32. Agora não tão surpreendido, pouco achei sobre isso, até mesmo dentro da Microsoft. A única dica de jeito que achei foi activar a visualização completa dos comandos no Task Manager. Isto permitia saber onde o programa estaria, e portanto podia ver se era vírus ou não. Reiniciei o PC, procurei dentro dos processos activos do rundll32 e desliguei-os um por um. só quando cheguei ao GrooveUtil.dll é que o Explorer ganhou função. Logo, a culpa de tudo não é um vírus, mas sim o Microsoft Groove.

Como não gosto de tirar coisas do PC, decidi ver se achava algum fix para isto. Pouco achei de novo, da Microsoft nada. Parece que ás vezes o Groove Monitor entra num loop circular, o que obviamente impede o Explorer de trabalhar. Confrontado com a perda de um programa que nunca daria uso e a perda de todas as funcionalidades do Explorer (ao custo de não fazer uma tarefa repetitiva e que só eu sei fazer, caso outro entrasse no PC, game over), tirei o Groove do PC e tudo começou a funcionar normalmente, ou pelo menos pensava eu nesse momento.

O facto de ter o rundll a funcionar incorrectamente era uma coisa a considerar, já que podia potenciar outros erros pelo sistema todo. De facto, o rundll não me preocupou até ter notado a incapacidade de acertar as horas ou até de poder abrir ficheiros desconhecidos. Tinha apenas 2 soluções, que era tentar uma reparação upgrade do Vista ou fazer um clean install. Por acaso, uma terceira apareceu dos meus desejos de ter uma máquina infalível, o de instalar o Mac OS X Leopard e portanto livrar-me de todos os problemas que o Vista tem.File:Apple-logo.png

Deixando de parte o problema apaziguado do rundll, comecei a reprocurar sobre modos de instalar o Mac num PC Intel. Sabia de antemão que os Macs se podiam instalar em Intels, especialmente se fossem Core 2 Duo, como o meu é. Resumindo, tive sorte quando comprei o computador, e é devido a essa sorte que pude ter a confiança necessária para instalar o Mac. Ficaria a saber que os macs a correrem em arquitectura x86 (os normais PC’s) se designam de Hackintosh e que são muito comuns e até simples de se realizarem em PC’s recentes ou nativamente compatíveis.

Fiz download do iso da Kalyway, queimei-o no DVD e assim a parte 1 do meu plano astucioso estava completo. A 2ª era arranjar espaço para instalar o dito Leopard. E isso seria o maior problema, já que ambos os meus discos estavam cheios de filmes e outra miscelânea (tralha, por assim dizer) e transferir tudo para o disco externo demoraria algum tempo. O processo de desfazer parte das duas partições seria perigoso e podia por em perigo o Vista que acabei de salvar, assim como o XP que tina instalado. Então tomei a escolha lógica, que foi retirar o meu disco PATA de 160Gb do dinossauro e reimplanta-lo aqui. Foi um sucesso que resultou num efeito secundário agradável, que foi a limpeza, mais ou menos aprofundada, dos molhes de pó que se acumularam tanto dentro e fora da caixa.

Corri o DVD logo no inicio e passados meio minuto já tinha o DVD a perguntar-me em que língua queria falar; escolhi imediatamente o Português de cá. No entanto fiquei medianamente baralhado com alguns passos (nomeadamente como preparar o disco que, anteriormente foi esvaziado de todo conteúdo para o disco externo e levou formatação do Vista), pelo que provavelmente à minha 3ª ou 4ª tentativa consegui instalar o Leopard no disco “novo”. O meu maior medo era de que o bootloader do Leopard se sobrepusesse ao do Vista, tornando o acesso ao Vista ligeiramente mais dificultado. Nada disso aconteceu, e a partir desse momento tornou-se tudo numa questão de BIOS.

Assim que abri o sistema, fiquei espantado com a rapidez com que o sistema abria, mesmo num Hackintosh, demorava uns 20 segundos a abrir e a carregar a interface toda, ao contrário do Vista, que demora uns 3 minutos ou mais a abrir tudo e estar num estado estável. Houve duas coisas que notei de imediato, a resolução fraca (1280 x 720) e a falta de conexão à Net. Tive de reinstalar o Mac à procura de drivers incluídos no DVD até ter a ideia genial de ir à InsanelyMac ir à procura de drivers. Descobrindo o fabricante da Motherboard descobri os 4 drivers que me faltavam. Coloquei-os numa pen e fui a andar para o Mac. Fiquei desiludido por não ter reconhecido a pen no painel frontal, pelo que experimentei atrás (ao custo de mover a secretária um par de metros para a frente); mesmo assim não dando, diagnostiquei que o Mac apenas reconheceria os periféricos ao inicio (se de drivers ou de BIOS não poderei dizer). Instalados os drivers, o sistema funcionava com Net e som, embora que, mesmo neste momento, apenas posso mudar a resolução em Safe Mode (frustração ridicularizada pelo facto de que só existe um driver que saiba) e que o som do painel frontal não funcionasse. Tudo considerado, o Mac funciona bem e como esperado. Ás vezes o disco desliga-se por si próprio, ás vezes congelando o Mac em segundos ou impedindo o arranque, mas um restart ajuda. Isto é como o Mac ficou com as janelas todas abertas. Instalei o Adium para servir de Messenger enquanto estava a arranjar o Vista e o Tweetie para, bem, para twittar.

https://i1.wp.com/img91.imageshack.us/img91/7579/capturezgn.png

Voltando de novo ao Vista. Tentei investigar se havia algum patch da Microsoft que me pudesse reparar o rundll, no entanto, nada. Experimentei meter o SP1 e, embora tenha notado no grande aumento de estabilidade e na redução do tempo de arranque, o problema ainda não tinha sido resolvido. Tendo esgotado todas as alternativas, só me restava uma, que era fazer um repair update do Vista. Como o meu DVD apenas continha os dados originais do Vista, e não o SP1, tive de desinstalar o SP1 para tentar reparar o Vista. Tendo desinstalado o SP1, pude proceder à pior parte.

File:Windows Vista logo.svg

Irei odiar e amar este logo durante o resto da minha vida. Amar porque é o desenvolvimento do XP, ou eXPert como alguns conhecerão. Odiar porque, numa analogia, se considerarmos o XP o Windows 98 SE, o Vista torna-se o ME, ou seja, promete muito mas é apenas uma cambada de lixo. Ao contrário do ME o Vista não adoptou a arquitectura do seu predecessor, no entanto é uma mescla interessante: de um lado temos a arquitectura NT que acompanhou o Windows desde o seu nascimento, até no XP; de outro temos a recente arquitectura .NET, da qual pouco sei, mas que é usada em aplicações graficamente dependentes. O Vista também trouxe o DirectX 10, que se provou ser um “lifting de última hora”, já que, actualmente e no futuro próximo, nenhum jogo usará o DirectX 10 de forma eficiente (salvo o Flight Simulator).

Obstante este comentário, a verdadeira razão porque odeio (mais) o Vista é simplesmente por ser ininteligente, ou pelo menos a instalação. Depois de ter preparado tudo para o repair, corri o Installer a partir do DVD que tinha e esperei. Esperei. Esperei. Espereeeeeeeeeeiiiiiiiii. Esperei cerca de duas horas e meia, passando por 2 restarts, para o installer dizer as palavras que me farão detesta-lo para sempre: “Windows could not configure one or more system components”. A solução da Microsoft é em vez de tentar dizer ao utilizador qual é o problema, limita-se a forçar que carreguemos num botão para reiniciar e fazer um rollback, que demora outra meia hora. Resultado: os átomos não gostam de mim. Resultado sério: Voltamos ao ponto de partida, passados 3 horas à espera. Lembra-me quando telefonamos para uma linha telefónica a pedir apoio técnico e nos põem “em lista de espera” e começam a dar uma musiquinha muito incomodativa que temos de estar a ouvir durante 10 ou mais minutos só para sermos reencaminhados mais uns 15 minutos. Se calhar devia ter feito o que o Homer Simpson fez:

You can’t put me on hold, I’ll put you on hold. (singing) I am a lineman for the county. (speaking) Your call is important to us. Please continue to hold. (singing) And I drive the main road. (speaking) There are…eight… calls ahead of you. (singing) And the Wichita lineman is still on the li-li-li-li-li-li-li-li-li-li-li-li-line.

Por acaso é um vídeo que gostaria imenso de por aqui, porque também faz o mesmo com a Lisa. Voltando ao Vista, tentei mais 2 vezes, a 1ª da mesma maneira e a 2ª desligando tudo e qualquer outra coisa: cabos, programas, processos, por ai fora. Nada resultou. Fiquei confrontado com uma escolha que não queria mesmo fazer: começar do zero. Começar do zero representa o falhanço absoluto de resolver um problema difícil por todos os meios possíveis. Começar do zero, para pseudo matemáticos físicos informáticos programadores como eu, representa pedir ao professor que nos deia as respostas sem ter gasto todo o tempo. Não devo encarar isto como um falhanço, no entanto: o meu PC já estava a correr há 5 anos sem qualquer reinstalação, a apanhar tralha e erros por todo o lado. Isto é até um monumento à minha preserverança, já que ter um PC a correr bem durante 5 anos com o desgaste diário que lhe dou é relativamente difícil.

Precauções especiais tinham de ser preparadas: A primeira era salvaguardar todos os dados existentes no disco local, algo que, com a ajuda da PCGuia e do Macrium Reflect Free consegui fazer em cerca de duas a 3 horas (tendo em conta que estava a transferir 80Gb para um disco externo por USB 2.0, é um bom tempo). A segunda precaução, provavelmente a mais maçuda, era ter uma lista de todos os programas instalados ao momento. Isto porque, mesmo transferindo todo o conteúdo de um disco para a nova partição, os registos e outros ficheiros como dlls’, configurações, perfis, seriam perdidos, já que são guardados em pastas do sistema, inacessíveis à maioria dos utilizadores. Fiz uma lista de cerca de 80 programas que teria de instalar na nova instalação do Vista. A terceira, mas talvez mais importante, precaução seria certificar-me que podia transferir os ficheiros contidos na minha pasta pessoal para a nova que criaria na nova instalação do Vista. Pensando pouco chegaria a uma solução simples, transferir a pasta a partir do XP: como o XP não reconhece os protocolos do Vista, pode passa-los e assim pode reescrever todos os ficheiros pessoais formados na criação do primeiro utilizador.

Então, com tudo preparado, liguei o PC, torci os dedos e corri o DVD do Vista. Formatei a partição que correspondia ao Vista e comecei a instalar de novo. Demorou muito menos tempo, uma hora, talvez. Criei o meu utilizador, embora que, durante a configuração, o PC tenha dado um temível BSOD (naquela altura seria sempre temível) e tive de recriar outro utilizador. Mesmo tendo-o eliminado, todos os programas que instalo tem o nome dele predefinido; insignificante mas irritante. Antes de começar a restaurar tudo e mais alguma coisa que tinha, comecei por instalar todos os patches e SPs’ que existem. Uma medida de precaução que impede que alguns programas interfiram com a posterior actualização.

Depois continuei por instalar todos os programas que tinha antes: desde aos programas que tinha aos que ia actualizar da Net, consegui instalar a maior parte deles, incluindo o WoW, demorando cerca de um dia. De todos os programas que tinha, apenas 2 não foram instalados, já que não precisava deles mais. Isto é como o meu desktop estava antes de ter posto todos os meus ficheiros pessoais: a maior diferença entre este e o meu actual é a ausência dos ícones do Office e da pasta com a minha manga.

https://i0.wp.com/img89.imageshack.us/img89/9344/capturekdy.jpg

E assim veio a melhor parte, restaurar os ficheiros antigos. Fui ao XP, abri um par de pastas e começou a transferir. Reiniciei, acedi ao Vista e pronto, tudo em perfeita normalidade. Uma coisa que se esbarrou contra a minha cara foi um programa (que já tinha suspeitado antes) que faltava um dll, que estava no %temp%. Programas que correm dlls de Temp não costumam ser fiáveis e com o CCleaner, apaguei a entrada do startup para sempre.

E assim concluo um grande capítulo da minha vida, que me demorou 1 semana a resolver. De todos os problemas que se passaram, acho que este foi o mais interessante que nas férias me ocorreu, sem contar com o WoW :P. Ah pois, e antes que me esqueça, a razão porque este post tem o título “Harder Better Faster Stronger” é porque estava a ouvir um mix do Alive 2007 dos Daft Punk e não consegui lembrar-me de um titulo decente para isto, portanto ficou este.

“Do the message: du-du-ru-du-ru-ru-du-ru-ru-du-du-ru-du-ru-ru-du-ru-ru-du-du-ru-du-ru-ru-du-ru-ru-du-du-ru-du-ru-ru-du-ru-ru…..After the beep” [BEEP]

Permalink 1 Comentário

Denial-of-Service vs Twitter (Parte 2 1/2)

6 de Agosto de 2009 at 23:27 (Reminiscências de um Louco)

Fail Whale

Hoje e até ontem tive a oportunidade de presenciar um grande problema: O Twitter não funcionava. E porquê? Graças à CNN, que ultrapassou as grandes barreiras do cordel e chegou à Internet, recebi as noticias de que o Twitter estava a sofrer um ataque de Denial of Service (ou o infame DOS), razão porque ninguém estava a conseguir entrar lá.
Isto tudo aconteceu num dia em que o meu Explorer (o Windows, não o Internet) se recusava a funcionar. Acabei por descobrir que se trata de um problema com o rundll32.exe.
Agradeço aos hackers deste mundo por mostrarem as grandes falhas que este mundo electrónico ainda tem de corrigir.
O staff da Twitter podia pelo menos fazer uma imagem da Whale a lutar contra uns monstros vermelhos, em vez disso só tenho esta do Fail Whail. Serve para o assunto mas não para o exemplo.
“There is no such thing as a stupid question, although they are the easiest to answer”

Permalink Deixe um Comentário